Resumo dos samba-rock

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

MAIS UM EXEMPLO DA HISTÓRIA – WALTER ROSA

MAIS UM EXEMPLO DA HISTÓRIA – WALTER ROSA

Lá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Laiá, laiá, laiá, laia!
Lá, laiá, lá, iá!
Lá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Laiá, laiá, laiá, laia!
Lá, laiá, lá, iá!
Não
Não vou mudar de opinião, eu não
Não quero obedecer meu coração
Não quis aceitar
Nem compreender
Foi melhor nos separar
Não quis aceitar
Nem compreender
Foi melhor nos separar
É mais um exemplo da história
Um romance, um casal
Que lutou e não alcançou a glória
Clero foi um enlace matrimonial
Que uma classe social toda assistiu e também
Quando meu mundo caiu
Clero foi um relance matrimonial
Que uma classe social toda assistiu e também
Quando meu mundo caiu
Lá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Lá, laiá, lá, iá!
Lá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Lá, laiá, lá, iá!
Lá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Laiá, laiá, laiá, laiá!
Lá, laiá, lá, iá!

Letrasdesambarock.blogspot.com.br


(Colaboração de Barry Cox)

domingo, 19 de novembro de 2017

POT-POURRI DE PARTIDO ALTO – JORGINHO DO IMPÉRIO

POT-POURRI DE PARTIDO ALTO – JORGINHO DO IMPÉRIO

Chorei quando o dia clareou
Chorei por amor ao meu amor
O dia amanheceu
Não apareceu no meu chatô
O meu coração quase parou
O meu coração quase parou
Mas eu chorei
Chorei quando o dia clareou
Chorei por amor ao meu amor
E aí?
O dia amanheceu
Não apareceu no meu chatô
O meu coração quase parou
O meu coração quase parou
Mas mulher de malandro
Mulher de malandro não se amofina
Lava roupa e canta samba
E ainda rebola na tina
Mulher de malandro vai
Mulher de malandro não se amofina
Lava roupa e canta samba
E ainda rebola na tina
Mulher sai da casa da vizinha
Tanta roupa no tanque
Você não passa um sabão
Eu vou acabar ficando louco
Se não mudar
Assim eu vou durar pouco
Vai!
Eu vou acabar ficando louco
Se não mudar
Assim eu vou durar pouco
Olha aí!
E olha deixa de disse me disse
Que fulana disse cicrana falou
Se a minha nega saber disso
Vai ter reboliço lá no meu chatô
E quando eu nasci
Eu nasci de perna bamba
E a parteira logo disse
O Jorginho vai ser de samba
Mas mulher
Mulher, ô, mulher
Quanto mais carinhosa mais falsa ela é
Ah, mulher
Vai!
Mulher, ô, mulher
Quanto mais carinhosa mais falsa ela é
Olha aí, gente!
Mulher, ô, mulher
Quanto mais carinhosa mais falsa ela é
Olha a mulher carinhosa aí!
Mulher, ô, mulher
Quanto mais carinhosa mais falsa ela é
Mulher, ô, mulher
Quanto mais carinhosa mais falsa ela é
Mulher, ô, mulher
Quanto mais carinhosa mais falsa ela é


Letrasdesambarock.blogspot.com.br

PERDI A NAMORADA – JORGINHO DO IMPÉRIO

PERDI A NAMORADA – JORGINHO DO IMPÉRIO

Mas não há
Não há noite linda sem estrelas
Nem manhã bonita sem o sol
À tarde só é triste quando chove
A natureza
Se aborreceu
Da chuva só restou
Saudade
Dos lindos sonhos meus
Choveu, choveu, choveu
E a natureza se aborreceu
Mas choveu
Choveu, choveu, choveu
E a natureza se aborreceu
Pedi a Deus
Para a chuva ir embora
Não se aproximava à hora
Mas, a natureza não deixou
Eis a razão que eu gosto das noites estreladas
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
Mas não há
Não há noite linda sem estrelas
Nem manhã bonita sem o sol
À tarde só é triste quando chove
E a natureza
Se aborreceu
Da chuva só restou saudade
Dos lindos sonhos meus
Mas choveu!
Choveu, choveu, choveu
E a natureza se aborreceu
Choveu, choveu, choveu
E a natureza se aborreceu
Pedi a Deus
Para a chuva ir embora
Não se aproximava à hora
Mas, a natureza não deixou
Eis a razão que eu gosto das noites estreladas
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
Vai!
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
E foi assim que eu perdi uma linda namorada
E foi assim que eu perdi uma linda namorada


Letrasdesambarock.blogspot.com.br

PAZ EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL – JORGINHO DO IMPÉRIO

PAZ EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL – JORGINHO DO IMPÉRIO

Só andando pelo meu
País eu posso ver
De perto as coisas que
Existem, é pura raiz
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
É verdade!
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
Tem samba no Rio
Nas cordas do cavaquinho
Pandeiro e tamborim
Dançado no miudinho
São Paulo cai a garoa
E a viola do caipira
Não
Impele a vida prossegue, que coisa tão boa
Só andando pelo meu
País
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem, é pura raiz
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
É, diz!
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
Xaxado na Paraíba,
E é forró do Virgulino
Pega na barra da saia
As meninas na gandaia
Dança o índio no mato
Músicas em ritual
É a paz que reina em todo território
Nacional
Só andando pelo meu
País
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem, é pura raiz
É!
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
Era verdade aí, malandro!
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
Olha o xaxado na Paraíba, malandro!
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz
Meu país,
Eu posso ver
De perto as coisas que
Existem,
É pura raiz


Letrasdesambarock.blogspot.com.br

O IMPERADOR – JORGINHO DO IMPÉRIO

O IMPERADOR – JORGINHO DO IMPÉRIO
  
Você que fundou o Império e não se vestiu
De imperador
Ficou sendo lá no Serrano
Apenas um mano, poeta e cantor
De braço com o mestre fulero
Molequinho
E outros bambas
Na casa da dona Eulália
Pintaram de verde e branco a bandeira do samba
Desce os dedos
Pelo braço da viola
Faz enredo
Que teu samba me consola
Mano Décio
Desce os dedos na viola
Faz enredo
Que teu samba me consola
A serrinha
Sente a falta do teu canto
Vê se volta pro teu povo
E faz o teu povo cantar
Você que tira
O chapéu na humildade
Dê licença vou tirar
O meu com vaidade
Desce os dedos
Pelo braço da viola
Faz enredo
Que teu samba me consola
Mano Décio
Desce os dedos na viola
Faz enredo
Que teu samba me consola
A serrinha
Sente a falta do teu canto
Vê se volta pro teu povo
E faz o teu povo cantar
Você que tira
O chapéu na humildade
Dê licença vou tirar
O meu com vaidade
Desce os dedos
Pelo braço da viola
Faz enredo
Que teu samba me consola
Mano Décio
Desce os dedos na viola
Faz enredo
Que teu samba me consola
Ê papai
Desce os dedos na viola, ô papai
Faz enredo
Que o Império te espera, ai, papai
Desce os dedos na viola, ô
Faz enredo, ê,
Que o Império te espera
Ê papai
Desce os dedos na viola...


Letrasdesambarock.blogspot.com.br

EU E MEU PANDEIRO – JORGINHO DO IMPÉRIO

EU E MEU PANDEIRO – JORGINHO DO IMPÉRIO

Com meu pandeiro eu vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro eu vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
As cataratas do Iguaçu inigualável
A Amazônia cobiçada
Brasil verde, mineral,
Em Ouro Preto obras do Aleijadinho
Na Bahia Pelourinho, capoeira e berimbau
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Diz de novo, gente boa!
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Aqui tem índio
Tem o preto
Tem o branco
Tem mulatas de tamanco
Convidando pra sambar
Eu quero paz
Só brigo se for preciso
Meu Brasil, meu paraíso,
Meu canteiro e meu pomar
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
As cataratas do Iguaçu inigualável
A Amazônia cobiçada
Brasil verde, mineral,
Em Ouro Preto obras do Aleijadinho
Na Bahia Pelourinho,
Capoeira e berimbau
Vai que é verdade!
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
É comigo!
Aqui tem índio
Tem o preto
Tem o branco
Tem mulatas de tamanco
Convidando pra sambar
Eu quero paz
Só brigo se for preciso
Meu Brasil, meu paraíso,
Meu canteiro e meu pomar
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca
Com meu pandeiro vou até Itaparica
Se a moqueca tem dendê
No meu samba tem cuíca


Letrasdesambarock.blogspot.com.br

EU CANTO SÃO PAULO – JORGINHO DO IMPÉRIO

EU CANTO SÃO PAULO – JORGINHO DO IMPÉRIO

São Paulo
Dentro de você eu não me calo
Canto o meu samba
Com a maior empolgação
São Paulo
Canto o meu samba pra você
Agora
Chegando a hora tenho que ir me embora
Mas
De ti eu não me esqueço, não
São Paulo das noites de frio
No Rio sinto mais calor
O Rio me inspira em poesia
São Paulo me inspira em amor
Nesta madrugada triste
Ao romper da aurora
Meu amor fica aí
E eu vou-me embora
Nesta madrugada triste
Ao romper da aurora
Meu amor fica aí
Eu vou embora
São Paulo
São Paulo
Dentro de você eu não me calo
Canto o meu samba
Com a maior empolgação
São Paulo
Canto o meu samba pra você
Agora
Chegando a hora tenho que ir embora
Mas
De ti eu não esqueço, não
São Paulo das noites de frio
No Rio sinto mais calor
O Rio me inspira em poesia
São Paulo me inspira em amor
Nesta madrugada triste
Ao romper da aurora
Meu amor fica aí
E eu vou-me embora
Vai!
Nesta madrugada triste
Ao romper da aurora
Meu amor fica aí
Eu vou embora
Nossa Senhora!
Lá, lá, laiá, lá, laiá!
Lá, lá, laiá, lá, laiá!
Lá, lá, laiá, laiá!
Lá, lá, laiá, lá, laiá!
Lá, lá, laiá, lá, laiá!
Lá, lá, laiá, laiá!


Letrasdesambarock.blogspot.com.br